sexta-feira, 12 de agosto de 2011

GRÉCIA - ILHAS GREGAS - PALEA KAMENI SANTORINE








GRÉCIA - ILHAS GREGAS - PALEA KAMENI SANTORINE
VIDEO: CARMEN CECILIA
FOTÓGRAFO: ROBERTO MATHEUS 
GREECE - GREEK ISLANDS - SANTORINI PHOTOS PALEA KAMENI
 ΕΛΛΆΔΑΣΑΝΤΟΡΙΝΗ Παλαιά ΚαμένηΕΛΛΗΝΙΚΑ ΝΗΣΙΑ





quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Conselho...

Não te aflijas...
Corrija...
Somente reflita...
Siga teus instintos
Adentre labirintos
Equilibre-se...
E calibre
Teus temores
Teus ardores
Amores que vão
Amores que vem
Questione...
E até revolucione
Tudo a tua volta
Sem revolta...
E solte-se...
Envolva-se
Por paz...
Por mais...
Mais amor...
Mais calor...
Mais sabor
E menos dor...
Menos erros...
E destemperos
Pintou-se a insegurança
É hora de mudança...
Seja e dê
O teu melhor...
A tua cor...
Lembre uma flor
Por onde for...
E caminhe
Encaminhe...
Seja e dê
Alegria...
Alegria de viver...

Carmem Cecilia
04/08/2011


Favor manter a autoria do poema.

terça-feira, 26 de julho de 2011

SEM MEDIDA - VÍDEO POEMA DE AMOR


SEM MEDIDA

Meu amor por ti é sem medida
Não tem nada de comedido
Ou de arrependido
Você é meu sexto sentido em todos os sentidos
Não há distancia, pois nada nos distancia
Nem ao menos a geografia
Buscamo-nos a cada momento
Seja na fotografia ou no pensamento
Temos ligações cármicas.
Não importa se atravessamos o Atlântico
Nossos beijos têm o gosto salgado
Do oceano e do rosto de lágrimas molhado
Visualizo a todo instante teu ser
E tu vens como num sopro me rever
Nossos corpos unem-se num intenso prazer
Pois a alma nos enleva e tudo releva
E assim nos buscamos a cada instante
E nessa telepatia freqüente
 

Vamos seguindo em frente
Até sermos um do outro novamente.                                                                              
Para sempre doravante!
Carmen Cecília

PORTUGAL - JARDIM DA EUROPA A BEIRA MAR PLANTADO


Obrigado, Portugal!

Rio de Janeiro


      A gentileza humana parece ter feito seu último reduto em Portugal. E quando eu falo em gentileza, dou-lhe quase a acepção medieval de amor cortês, de medida, de mesura. É um povo que não levanta a voz, e ninguém pense que por covardia, mas por uma boa educação instintiva e um senso de afetividade. Essa desagradável invenção moderna, o berro, não encontra forma vocal na garganta de um português. Hitler, Mussolini ou Lyndon Johnson jamais poderiam governar esse "jardim d'Europa à beira-mar plantado", onde se fala baixo, ama-se com fervor e chora-se nas despedidas.
      Essa tristeza, de que nós brasileiros somos os novos legatários, tem uma ancestralidade que vem de muitas dominações, muita submissão forçada, muito fatalismo histórico e geográfico. Povo afeito às guerras - ainda hoje as mantém no Ultramar - parece ele sofrer de um silencioso heroísmo na paz, como se a Desgraça, essa invisível espada de Dâmocles lenta e diariamente forjada pelo Destino, pudesse a qualquer momento cair-lhe sobre a cabeça. Quase humilde no trato pessoal, logo verificará quem o conhecer melhor que não se trata de servilismo, e sim de uma necessidade de não fazer vibrar além do necessário os frágeis fios que suspendem imanentemente os Maus Fados sobre sua existência. E é talvez por esse motivo que seus bons fados também são tristes, sempre a carpir as penas do viver e do amar.
 
      Eu confesso que depois desta minha última viagem, e de um contato intermitente de três meses com sua gente, Portugal seria o único país da Europa onde eu poderia viver fora do Brasil: com eventuais incursões à Itália. Que adiantam o superdesenvolvimento e a kultura (assim mesmo com k) de um povo, como dois ou três que eu conheço, se neles a relação humana torna-se cada dia mais difícil e indesejável diante de um outro tipo de ignorância bem mais perigoso a longo prazo, como esse da reserva e falta de diálogo; da submissão a preconceitos econômicos falsos na verdadeira escala de valores; do aburguesamento progressivo e da mesmificação do mais pessoal dos meios de comunicação, que é a linguagem? Que qualidade é mais a prezar no ser humano, se não for a gentileza, o gosto de conviver, a boa vontade em cooperar, em socorrer, em dar-se um pouco em tudo o que se faz, desde trabalhar a amar, desde comer a cantar, desde criar no plano intelectual a fazer no plano industrial ou agrícola?
      Obrigado, Portugal! No contato de tuas gentes, teus escritores e teus artistas, teus estudantes e teus simples - teu povinho das brancas aldeias! - eu senti que há ainda muito isso que cada dia mais falta ao mundo: carinho e sinceridade. Represados, talvez, nas latentes como o sangue sob a pele, e prontos a romper a crosta criada a duras penas, ao longo de um passado tão cheio de sacrifícios e infortúnios.
      Obrigado, Lisboa, terra tão boa, gente tão gente, casas tão casas, amigos tão como já não se encontra. Obrigado, Coimbra que me recebeste em tua Academia e em teu Convívio e que me puseste uma velha capa sobre os ombros. Obrigado, Porto, onde teus estudantes quiseram não me deixar trabalhar em boate, porque não sabem ainda que a poesia e a canção têm de estar em toda parte (mas obrigado pelo gesto, estudantes do Porto!). Obrigado, Óbidos, que pareces feita no céu, tão linda e pura como uma avozinha menina que ainda usasse flores silvestres na cabeça. Obrigado, Évora, mãe alentejana de Ouro Preto, cidade onde mais que nenhuma outra se sente o Brasil colonial, o Brasil do Aleijadinho, cidade perfeita de gentil austeridade. Obrigado, Monserraz, que, esta não quero ver nunca mais porque se a ela voltar nela hei de ficar, entre seus muros brancos e seus homens e mulheres do mais franco olhar. Obrigado,Portugal. Resta sempre uma esperança. Eu voltarei.

VINICIUS DE MORAES

RIO DE JANEIRO - POESIA - FOTOGRAFIA E HOMENAGEM


LINK PARA ESSE VÍDEO:

quinta-feira, 21 de julho de 2011

AMIGO


ACRÓSTICO PARA O DIA DO AMIGO

F ica sempre do meu lado
E ri, chora comigo
L ê minha mente calado
 nstantaneamente presente
Z ela-me a todo instante

D as loucuras e travessuras
 nvariavelmente é freqüente
A h! também no silêncio e na eloqüência

D á o melhor, mesmo na dor
O u quando estamos na pior

A migo...
M eu fantástico abrigo
 I  nspira e deseja-me sorte
G uia que traz esperança e alegria..
O colorido de todos os dias

Carmem Cecilia
20/07/2011

DIA DO AMIGO

sábado, 16 de julho de 2011

ANIVERSÁRIO E HOMENAGEM THEATRO MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO






Um dos mais bonitos prédios do Rio de Janeiro, localizado na Praça Floriano, conhecida como Cinelândia, no centro da cidade, o Theatro Municipal é a principal casa de espetáculos do Brasil e uma das mais importantes da América do Sul. Desde a sua inauguração, em 14 de julho de 1909, o Theatro tem recebido os maiores artistas internacionais, assim como os principais nomes brasileiros, da dança, música e da ópera.
Inicialmente, o Theatro foi apenas uma casa de espetáculos, que recebia principalmente companhias estrangeiras, na maioria trazidas da Itália e da França. A partir da década de 30, o Municipal passou a ter seus próprios corpos artísticos: orquestra, coro e ballet (para a história de cada um deles veja Diretoria Artística). Os três continuam em plena atividade e realizam várias produções próprias a cada ano. Hoje, o Theatro Municipal do Rio de Janeiro é a única instituição cultural brasileira a manter simultaneamente um coro, uma orquestra sinfônica e uma companhia de ballet.
Prefeito do Distrito Federal, entre os anos de 1902 e 1906, o engenheiro Pereira Passos o planejou como o toque final da reforma que realizou na cidade do Rio de Janeiro, sendo o Theatro construído com base na fusão do projeto arquitetônico de Francisco de Oliveira Passos, com o de Albert Guilbert, que haviam empatado no concurso organizado para o projeto do novo teatro. O desenho do prédio foi inspirado no da Ópera de Paris, construída por Charles Garnier.


Externo

 Na fachada se destacam: a escadaria de acesso, a visão dos dois andares e as três cúpulas da cobertura. O sentido de verticalidade desta fachada é dado pelas grandes colunas no corpo central e nas colunas menores das rotundas laterais. O equilíbrio das linhas é clássico, mas a profusão da decoração nos remete ao barroco.
Na calçada, antes e nas laterais da escadaria, duas colunas de granito, sustentam lampadários, ornamentos de bronze e o emblema do município.
Na parte inferior da fachada e das laterais, as escadarias são de granito da Candelária, bem como os pedestais das colunatas e as guarnições das portas de acesso do público.
A coloração do granito faz destacar os bronzes, as seis colunas centrais de mármore italiano e as de mármore belga das rotundas laterais.
As três portas principais são de madeira, protegidas por portões de bronze. São em arco pleno, assim como as janelas das rotundas.
As quatorze colunas principais são em mármore de Carrara, estilo corintio. O emblema do município aparece nos capitéis . Sobre as seis colunas centrais da fachada, uma pequena cornija e um friso decorativo tem, ao centro, a inscrição “Theatro Municipal”.
Acima desta, em um pequeno frontão,há a inscrição “MCMV – MCMIX”, ladeado pelas esculturas de Rodolpho Bernardelli: a Poesia e a Música  na fachada central; a Dança e o Canto na Avenida Rio Branco e a Tragédia e a Comédia na Avenida Treze de Maio.
No andar superior do corpo central, das rotundas e nas escadarias laterais, existem janelões com vitrais retangulares, sendo que os três centrais e os dois das escadas laterais, ostentam preciosos vitrais alemães, com as figuras das musas protetoras das artes. Nomes de mestres da musica e da dramaturgia estão gravados sobre os janelões das rotundas: Wagner, Carlos Gomes e Verdi; Goethe, Martins Pena e Molière.
Sobre as rotundas existem duas cúpulas, revestidas de cobre. Sobre o corpo central há três diferentes abóbadas. A primeira cobre o salão do foyer, a segunda o saguão da escada principal e a terceira é a grande cúpula, em forma da sala de espetáculos.
Todas elas em cobre. Há, ainda, uma quarta cobertura sobre o palco  e uma quinta sobre a área dos fundos do teatro. Sobre as três primeiras cúpulas existem, em seu topo, esferas de vidro leitoso, iluminadas de seu interior. A esfera central, que tem um diâmetro de 1,80 metros, sustenta uma águia de cobre dourado, que tem 2,80 metros de comprimento e 6 metros de envergadura em suas asas.
Nas fachadas laterais figuras de atlantes, em bronze, como se fossem cariátides, representam as estações do ano e há uma profusão de elementos decorativos ao gosto da art-noveau. Chamam a atenção, em cada lado, as loggie dotadas de balaustradas, com seis colunas de mármore cada; sobre elas, janelas em arco garantem a iluminação do bar da galeria e do Centro de Documentação. Máscaras cômicas e do deus Pã indicam a fonte clássica da maioria dos elementos decorativos usados no teatro.



INTRODUÇÃO E EXTERNO:


LINK PARA ESSE VÍDEO:




Interno


Nada mais simples do que a distribuição interna do Municipal. No corpo principal estão colocados o vestíbulo de entrada, o foyer e as escadas.
Do vestíbulo, pelas laterais, se passa diretamente à platéia e às frisas, e dele partem as duas escadas laterais que, com os elevadores à esquerda, levam aos andares superiores. Em sua entrada encontram-se duas estátuas de bronze do escultor francês de Raoul Verlet que representam, a da esquerda “A Dança”, e a da direita “A Poesia”. As duas rotundas laterais servem de descanso para o público. Toda a suntuosa decoração do vestíbulo é feita de mármores das mais variadas procedências, ônix, espelhos e bronzes dourados.


No lado oposto ao ingresso da platéia estão cinco bustos, de Carlos Gomes, João Caetano, Arthur Azevedo, Francisco Pereira Passos e Francisco de Souza Aguiar e dos corredores das frisas partem duas escadas que levam não só aos três andares superiores, bem como ao restaurante Assyrio, no andar inferior.
A escada principal dá acesso para o pavimento nobre onde se encontram o foyer, os camarotes, as  poltronas do balcão nobre e as duas loggie laterais do teatro. Esta famosa escada, que quebra após o primeiro lance, abrindo-se em dois lances para os lados, é toda feita em dois tipos de ônix, bronzes dourados e cristais. Para ela se abrem as balaustradas dos pavimentos superiores sendo que as do primeiro são do mesmo material da escada,enquanto que as dos demais pavimentos são em ferro fundido e mármore. Em seu topo uma estátua de mármore de  Jean Antoine Injalbert representando “A Verdade”.
Dela se passa ao foyer, todo decorado no estilo Luiz XVI, onde duas obras de arte chamam a atenção: os três preciosos vitrais que Fuerstein e Fugel  criaram em Stutgart e a abóbada pintada por Eliseu Visconti de 1913 a 1916. Nas duas rotundas há que admirar os tetos, de autoria de Henrique Bernardelli, de 1908, e os painéis, com cenas de danças de diversos países,  pintados em 1916 por Rodolpho Amoedo.
Nesta andar se abrem as duas belas loggie com magníficos tetos em cerâmica, pisos de mosaico veneziano e seus balcões de mármore debruçados sobre a rua. Na loja da Avenida Rio Branco um painel de cerâmica representa “A Dança Moderna”, feito em Paris. Seu equivalente, do lado da Avenida Treze de Maio, que  representava “A Dança Antiga” perdeu-se após uma das reforma que o teatro sofreu. Para estas loggie abrem-se os cinco balcões existentes nos corredores do balcão simples.



A Sala de Espetáculos

O espectador colocando-se na direção da entrada da Sala verá, alem das 456 poltronas, da platéia – todas em madeira e veludo e a sua volta,as 22 frisas. Acima dela o balcão nobre com 344 poltronas e 12 camarotes e a cabine de luz e som. No andar superior estão os 500 lugares de balcão simples e acima destes as 724 cadeiras da galeria, totalizando 2244 assentos.
Voltando-se em direção do palco verá os dois grandes camarotes aos lados do friso da boca de cena, desenho de Elyseu Visconti, sendo o da esquerda do Governador do Estado e o da direita do Presidente da República. Abaixo deles está o fosso da orquestra, situado em plano inferior ao da platéia, com seu piso assentado sobre um elevador hidráulico, q ue se movimenta verticalmente de acordo com as necessidades dos espetáculos. Em cima do friso do proscênio estão “A Poesia e o Amor afastando a Virtude do Vício” de Elyseu Visconti, flutuando contra um azulado fundo da Serra dos Órgãos.


Olhando para cima verá uma das maravilhas do teatro, o grande lustre central, todo em bronze dourado e com suas 118 lâmpadas com mangas e pingentes de cristal, circundado pela dança de “As Oreadas”, uma das obras-primas de Visconti.


INTERNO E  SALA DE ESPETÁCULOS



O Assyrio

Descendo-se as escadas laterais das chapelarias nos corredores das frisas, chega-se aos vestíbulos do restaurante Assyrio, com oito quadros de mosaico de Gian Domenico Facchina, que representam cenas de peças famosas da Dramaturgia universal. O restaurante  é peça única em toda a América do Sul, todo revestido de cerâmica esmaltada, inspirado na antiga Babilônia. O local está dividido em dois planos, o teto é baixo sustentado por colunas que terminam com cabeças de touro, em estilo persa.
Em sua decoração encontramos a frisa dos leões e a rampa das escadas do palácio de Artaxerxes, a frisa dos arqueiros, da sala do trono de Dario I, os enormes Kerubs, que guarnecem as escadas. Ha ainda os Gilgamesch do palácio de Sargão e duas belíssimas fontes, com motivos persas e babilônicos. A notar ainda os espelhos engastados em bronze antigo e as originalíssimas lâmpadas.


O ASSÍRIO:



LINK PARA ESSE VÍDEO:







FONTE TEXTO: THEATRO MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO

terça-feira, 5 de julho de 2011

sexta-feira, 1 de julho de 2011

BRASILEIRO




(RI)MAR







(RI)MAR!

Vejo o mar...
Mergulho em meu sonhar...
A dança das águas lançada aos rochedos
volta sempre ao mesmo lugar...
Alucina, incita , conduz a amar...
Num vaivém incessante,
Eloqüente, inebriante,
que me faz divagar
onde nunca se atreveu
a chegar meu pensar...
Movimento cíclico das ondas
inesperadas, esfuziantes,
construindo castelos de sonhos
para em seguida os desmoronar...
Trazendo mistérios
que não quer revelar...
Quebrando-se em camadas
brancas, sonoras, a espumar...
O bailado de duas gaivotas
a coroar o cenário no ar...
Vôo ritmado, imaginário e real...
O céu a singrar...Coreografia singular,
induzindo o homem
ao mais profundo olhar...
Para si e para o mar...
E todo esse encantamento
Em poema transformar...

(Carmen Lúcia)

QUANDO



QUANDO...

Quando rio... Quando choro
Quando meu sorriso
Vem mesclado com lágrima
E improviso...

Quando você chega... Quando você vai
E entardece e logo a noite cai
Com um quê de jamais
Quando a lembrança vem
E assim a esperança entretém

Quando você me intriga
Mas também me abriga
Com tua mão amiga
E tudo mais é passageiro

Quando nuvens de fumaça
Acinzentam o ambiente
Mas logo te vejo pela frente
E tudo mais fica diferente. Radiante!

Quando o caminho é penoso
E tudo parece se desmantelar
Quando titubeio receosa
Lá vem você com tua prosa

Que me deixa como rosa
Recendendo a inebriante perfume
Reacendendo a tudo em tons de rosa
Assim meio que um vaga-lume

Sem nenhum queixume
Apenas seu lume
Como um farol
Assim como um girassol
Girando ao redor do sol

Quando você não está
Mais ainda comigo você está
Como uma cicatriz
Que é de mim motriz

Quando e apenas quando
Você de vez em quando
Surge... Ressurge
Como miragem...

Carmen Cecília

PLANETA AZUL

ALMA DE POETA

PROMO-PANTANAL OF AQUIDAUANA-ENG SUB from mauricio copetti on Vimeo.

terça-feira, 28 de junho de 2011

PARIS É UMA FESTA...FOTOGRAFIA E HOMENAGEM




LINK PARA ESSE VÍDEO:


Paris é uma festa é uma homenagem a Cidade Luz e ao grande amigo arquiteto e fotógrafo Roberto Matheus.
Fotos magníficas e de uma beleza ímpar. Um verdadeiro cartão postal dessa cidade maravilhosa.

E o que diria Ernest Hemingway:

Sem a intensidade da paixão,
a vida é, sem dúvida,
uma cilada cujo limite
é a comodidade,
cuja verdade
é o medo de ir demasiado longe"
Ernest Hemingway

Sans l'intensité de la passion,
la vie est sans aucun doute
un piège dont la limite
est la commodité,
dont la vérité
est la crainte d'aller trop loin "

Ernest Hemingway

quinta-feira, 23 de junho de 2011

QUEM É AMIGO DA ONÇA? VÍDEO POEMA DA SÉRIE ANIMAIS EM EXTINÇÃO



LINK PARA ESSE VÍDEO:


QUEM É AMIGO DA ONÇA?

Pra se achar onça pintada
Valente, tão linda, altiva
Temos que andar de lanterna
Se é que há alguma viva!

A você mãe natureza
Os filhos voltaram as costas
E pra nosso malefício
Novas leis foram impostas

O homem que hoje aqui vive
Com requintes de maldade
Põe fim à própria existência
Devastando sem piedade!

Onça pintada, onça pintada
Dentro da mata se sentiu muito acuada
Onça pintada, onça pintada
Quando a mata pegou fogo
Ela fugiu para a estrada...

Meu Deus, faça alguma coisa
Pra este Planeta salvar!
Pois ainda tem gente boa
Querendo viver e amar...

Dá de volta os nossos bichos
Põe aqui a tua mão...
Pois tudo que já nos deste
Está mesmo em extinção...

Onça bonita e pintada
Queremos você de volta
Às nossas matas tão belas
Pra aplacar nossa revolta!

Onça pintada, onça pintada
Etc... etc...

Onça, onça pintada... Onça, onça pintada...
Quando a mata pegou fogo... ela fugiu para a estrada...

Mírian Warttusch

segunda-feira, 20 de junho de 2011

EU QUERIA... FRAGMENTOS BICENTENÁRIOS POÉTICOS


LINK PARA ESSE VÍDEO:




HOMENGEM AO VÍDEO NÚMERO 200 E AOS VÍDEOS POEMAS E POETAS DO CANAL:

Eu queria...
Eu queria falar o que penso,
Sem pesar... Sem apesar daquilo que penso...
Não mais aquela Pedra Bruta...
Eu queria ser bem querer...
Sem sequer desfolhar o mal me quer
Eu queria calar... Quando não há o que falar
Eu queria caminhar e...
E comemorar 5 anos..
Esse ano... E todos os anos...
Entre os descaminhos
Descobrir o verdadeiro caminho
Eu queria seguir em frente
E sorrir como sorria antes
Aquele mágico sorriso...
Eu queria a tua filosofia
A alegria de viver mais um dia
A rosa azul da amizade
Trazendo felicidade
Eu queria como telepatia
Um carinho de colo e simpatia
Eu queria um mundo diferente
Que não mais me deixasse indiferente
A tua poesia... Sem despedida...
Ah! Eu queria a lição das flores
E janelas... Expectativa...
Eu queria dar aqui meu coração...
Minha emoção e sedução
Eu queria depois da tempestade a bonança...
Um eterno recomeço...
Acordar com um Anjo dourado
Sempre ao meu lado...
Amar... Amar... Amar...
E quando me olhasse no espelho
Mulher... Da fragilidade a solidez...
Fazer um pacto de olhos
Esquecer o tique taque...
O tempo inevitável...
Ah! Eu queria...
Tantas coisas eu queria...
                          Ah! como eu queria....                    
Ah! Essa alma de poeta!
Ah! Se eu pudesse!

Carmen Cecilia

EU QUERIA: POESIA CARMEM CECILIA
APESAR: POESIA CARMEM CECILIA
PEDRA BRUTA: POESIA CARMEM CECILIA
COMEMORAR 5 ANOS: POEMAS A FLOR DA PELE
ESSE ANO: POESIA CARMEM CECILIA
SEGUIR EM FRENTE: DUETO CARMEM CECILIA& ANDREA LUCIA
MÁGICO SORRISO: POESIA CARMEN VERVLOET
ALEGRIA DE VIVER: POESIA CARMEN VERVLOET
ROSA AZUL: POESIA CARMEN VERVLOET
FELICIDADE: DUETO CARMEM CECILIA & CARMEN VERVLOET
A TUA POESIA: POESIA HILDEBRANDO MENEZES
DESPEDIDA: POESIA CARMEM CECILIA
A LIÇÃO DAS FLORES: POESIA SIRLEI PASSOLONGO
JANELAS: POESIA BASILINA PEREIRA
EXPECTATIVA: POESIA BASILINA PEREIRA
SEDUÇÃO: POESIA DUO CARMEM CECILIA & CARMEN VERVLOET
DEPOIS DA TEMPESTADE VEM A BONANÇA: POESIA CARMEM CECILIA
ETERNO RECOMEÇO: POESIA CARMEN VERVLOET
ACORDAR: POESIA CARMEM CECILIA
ANJO DOURADO: POESIA MARIA GORETI ROCHA
AMAR...AMAR...AMAR: POESIA CARMEN VERVLOET
QUANDO ME OLHO NO ESPELHO: POESIA CARMEM CECILIA
MULHER: POESIA CARMEM CECILIA
MULHER DA FRAGILIDADE A SOLIDEZ: POESIA CARMEN LÚCIA
PACTO DE OLHOS: POESIA ANTONIO POETA
TIQUE TAQUE: POESIA SONINHA PORTO
TEMPO: POESIA CARMEN VERVLOET
INEVITÁVEL: POESIA BASILINA PEREIRA
ALMA DE POETA: POESIA CARMEN CECILIA
SE EU PUDESSE: POESIA CARMEN CECILIA  
m







FUNDO MUSICAL DURANTE A NARRATIVA

WHEN THE WAVES DANCE
VAPOR BARATO: A FLOR DA PELE
THE SHADOW OF YOUR SMILE (VIOLÃO)
AMIGOS PARA SIEMPRE
FRAGILE
EMOÇÕES (PIANO)
THE MUSIC OF THE NIGHT